Corinthians deve participar de quadrangular nos EUA em 2015

O Corinthians negocia a participação em um torneio nos Estados Unidos durante a pré-temporada de 2015. O clube entraria no lugar do São Paulo, que não chegou a um acordo para fazer parte do quadrangular com Fluminense e os alemães Bayer Leverkusen e FC. Köln. Na edição do dia 12 de outubro, a coluna "De Prima" revelou que a pré-temporada alvinegra seria no exterior.

O Timão ainda não confirma porque tem outras opções. O departamento de marketing tem propostas que faria a equipe passar pela Ásia ou Oriente Médio no mesmo período. Durante a Copa do Mundo, um acordo ficou perto de sair, mas não houve consenso nos valores e os comandados de Mano Menezes fizeram uma preparação em Extrema, em Minas Gerais.

A empresa que negocia é a 2SV Sports, parceira do Orlando City, que intermediou a ida do São Paulo para Orlando (EUA) durante a Copa e que também havia levado o Fluminense para a América do Norte durante a Copa das Confederações, em 2013.

A ideia era que o torneio fosse anunciado oficialmente nesta segunda, o que deve ocorrer nesta quinta-feira. As datas devem ser entre 14 e 21 de janeiro do próximo ano.

Fonte: Lancenet

Lojas oficiais de Timão e Verdão fazem campanha pela paz no Dérbi

Por causa dos recentes episódios de violência envolvendo torcedores em clássicos paulistas, duas franquias de lojas oficiais de Palmeiras e Corinthians resolveram fazer uma ação pela paz no futebol. No próximo sábado, Timão e Verdão se enfrentam no Pacaembu, pelo Campeonato Brasileiro, e as unidades da Academia Store e da Todo Poderoso, que ficam no bairro do Tatuapé, Zona Leste de São Paulo, resolveram estender faixas para promover a paz.

A ideia surgiu em conjunto entre as duas unidades, que estão localizadas uma em frente à outra. Nas faixas, que têm os escudos dos dois times, a frase:

- Adversário não é inimigo. Rivais só em campo.



Fonte: Globo Esporte

Mesmo suspenso, Cássio viaja ao Mato Grosso; Ralf, de novo, fica fora

A delegação do Corinthians desembarcou em Cuiabá no início da tarde desta terça-feira sob total calmaria e com uma novidade: Cássio. O camisa 12, que está suspenso e não poderá atuar contra o Vitória na Arena Pantanal, veio ao Mato Grosso para treinar com Walter e Danilo Fernandes, outros goleiros relacionados por Mano e aptos a enfrentar os baianos.

Cássio treinará nesta terça, junto dos companheiros no estádio da partida. É bastante provável que o titular do gol corintiano vá a campo também na quarta-feira, dia do jogo, algo que virou praxe nos últimos meses sob a supervisão do preparador Mauro Lima. O camisa 12 voltará à equipe no próximo sábado, contra o Palmeiras, no Pacaembu. Guerrero e Fagner, que também cumprirão suspensão automática diante dos mineiros, serão reforços de Mano no Dérbi.

Se Cássio veio, o mesmo não se pode dizer de Ralf, que permaneceu na capital paulista. O volante, que sente um incômodo no joelho direito, será desfalque pela oitava vez consecutiva. Bruno Henrique, um dos destaques da equipe nesse período de ausência do camisa 5, será mantido na equipe.
O Corinthians deve enfrentar o Vitória com a seguinte equipe: Walter; Ferrugem, Gil, Anderson Martins e Fábio Santos; Bruno Henrique, Elias, Petros e Jadson; Renato Augusto e Romero (Luciano).

Fonte: lancenet

Guerrero pediu R$ 700 mil de salário para renovar com Corinthians

A primeira pedida de Guerrero para renovar contrato com o Corinthians quase derrubou o presidente Mario Gobbi da cadeira. O empresário do peruano exigiu R$ 700 mil por mês de salário, além de um vínculo com duração de três anos.

A resposta do Timão foi imediata: sem qualquer chance. Guerrero, então, baixou a pretensão salarial para R$ 600 mil. Depois de dias de negociação, a prorrogação do contrato está bem próxima de ser assinada por R$ 500 mil, por um ano e meio. Guerrero ainda terá direito a mais um salário anual, que será pago como prêmio pela assinatura.

Hoje, o camisa 9 embolsa R$ 350 mil por mês, atrás de Alexandre Pato, Emerson Sheik e Elias.

Guerrero está tão convencido de que vai continuar no Brasil que passou os últimos dias em busca de casa em um condomínio fechado em Alphaville. Detalhe importante: a pretensão do jogador é comprá-la.



A leitura da diretoria corintiana é de que ele não pensaria em gastar mais de R$ 6 milhões no imóvel para ir embora do Brasil em julho, quando se encerrará o atual vínculo. Atualmente, Guerrero mora em uma casa alugada.

Além da mansão em Alphaville, Guerrero também está procurando um carro novo. A ideia do peruano é trocar seu Mercedes Classe C AMG, avaliado em R$ 465 mil, pelo mesmo modelo zero quilômetro.

Fonte: Jorge Nicola

Titular, Jadson faz treino "raro" e projeta sequência no Corinthians

O meia Jadson parece estar mesmo disposto a esquecer a sequência de oito jogos seguidos como reserva do Corinthians - sem entrar em alguns deles - e nesta segunda-feira deu uma prova disso. Ele foi o único dos titulares a participar do jogo-treino com o time sub-20, no CT Joaquim Grava.
O camisa 10 retornou à equipe na vitória por 2 a 1 sobre o Inter, no último domingo, e atuou por cerca de 70 minutos. Mesmo assim, iniciou a atividade desta segunda, algo bem raro nos clubes hoje em dia. Pouquíssimas vezes um atleta que joga muito tempo no dia anterior faz trabalhos no campo, como coletivo, no dia seguinte.

Ele atuou por cerca de 15 minutos e se movimentou bastante. Depois, foi substituído pelo garoto Malcom. Essa é uma forma de Jadson ganhar ritmo de jogo, mas ele já se diz preparado para ter uma sequência na equipe.

- Fico feliz pelos elogios, isso significa que consegui fazer o que o treinador me pediu. Apesar de ter ficado um tempo fora, continuei trabalhando com o mesmo empenho porque eu sabia que a oportunidade iria aparecer. Agora é seguir com a mesma dedicação e me manter preparado para ajudar o Corinthians nessa reta final. Estamos na briga pelo título e não iremos desistir - disse.


Sobre o Vitória, adversário de quarta-feira, o meia espera dificuldades, sobretudo pelo clube baiano precisar sair das últimas posições.

- Nessa reta final, todos os jogos são muito complicados porque as equipes jogam por algum objetivo. O Vitória está brigando na parte de baixo da tabela, vem de uma derrota para o Cruzeiro e precisa se recuperar. Para nós, uma vitória poderia recolocar o Corinthians no G4 e não podemos vacilar - completou.

O Timão enfrenta o Vitória às 19h30 (de Brasília) desta quarta-feira, na Arena Pantanal, em Cuiabá.

Fonte: Globo Esporte

Sheik treina e dá a entender que volta ao Corinthians em 2015

Na última segunda-feira, Emerson Sheik decidiu sair da vida praieira e retornou às atitivades físicas em uma academia da Zona Oeste do Rio de Janeiro. E, para quem achava que ele não iria levar o forte ritmo a sério, Sheik mostrou que está mesmo comprometido e, visando o “projeto título 2015″, realizou mais um intenso treino na mesma academia.

Assim como fez após o exercício de segunda, o irreverente atacante também compartilhou a atividade desta manhã no Instagram.

- Mais um dia de trabalho na @studiobarrafit#projetotitulo2015 – escreveu Sheik.

Caso Mano saia do Corinthians, o provável substituto é o técnico Tite, que Emerson tem relação ótima.

Mais um dia de trabalho na @studiobarrafit #projetotitulo2015

A video posted by SK11 (@10emerson10) on



Fonte: Lancenet

Petros entende protestos, mas avisa: "Não ganhamos por pressão"

Revoltados com a eliminação na Copa do Brasil, na última quarta-feira, após derrota por 4 a 1 para o Atlético-MG, no Mineirão, os torcedores do Corinthians foram à porta do CT Joaquim Grava protestar na sexta-feira e até se reuniram com o presidente Mario Gobbi. Dois dias depois, o Timão venceu o Internacional por 2 a 1, fora de casa, pelo Brasileirão.

Segundo o volante Petros, porém, a pressão exercida pelos corintianos não teve influência no resultado positivo, embora ele diga entender a revolta.

- Sabemos que não vencemos por isso. Temos nossas qualidades, trabalhamos e isso é fruto do dia a dia. Mas o torcedor, se quer manifestar e expor a opinião, não vejo problema nenhum - disse.

O camisa 40 considera normais as reclamações da torcida. Só não tolera violência.

- Torcedor tem o direito de cobrar, se manifestar e colocar a opinião. Eles não aceitam algumas derrotas, como a de quarta, temos de respeitar. É o ponto de vista de cada um. Mas precisamos ter cuidado. Ninguém tem direito de ameaçar ou bater em ninguém - falou.

Petros aceita protestos da torcida, mas sem violência (Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians)

Petros falou sobre a cobrança interna após a queda na Copa do Brasil e vê o elenco unido para conquistar uma vaga na Libertadores.

- Quem tem a experiência lida melhor com essa adversidade, mas a decepção é a mesma. Não tinha outra maneira a não ser vencer o Inter para nos dar tranquilidade. Nos reunimos e falamos sobre a importância de vencer. Estamos fechados e vamos em busca dessa vaga (à Taça Libertadores - completou.

Fonte: Globo Esporte

Empresário diz que Corinthians lhe 'deu' Malcom para pagar Ralf e detona cartola

Formado dentro do Parque São Jorge, Malcom é uma das grandes promessas do futebol brasileiro. Segundo o jornal inglês The Guardian, é um dos 40 jovens mais promissores do mundo. Se uma proposta milionária chegasse hoje para tirá-lo do Corinthians, no entanto, o clube paulista teria direito a apenas 30% do total.

Há seis meses, porém, o alvinegro era detentor de 70%, mas deu 40% para o empresário e conselheiro vitalício do clube Fernando Garcia, pelo valor de R$ 1,5 milhão, para pagar uma velha dívida da compra de Ralf, de R$ 2,2 milhões - a diferença foi usada para aquisição de direitos de outros jogadores.

Quem conta toda a história é o próprio Fernando, que tem na sua empresa atualmente 35% dos direitos econômicos do atleta e que teve relação direta com um imbróglio que durou mais de dois anos.

Apesar de ter resolvido a situação, Fernando não poupa Roberto de Andrade, à época diretor de futebol, que é também pré-candidato da situação para dar continuidade para a gestão Mario Gobbi, e detona o dirigente. O conselheiro é irmão de Paulo Garcia, cotado para ser candidato da oposição, mas que fez doação para a campanha a deputado federal de Andrés Sanchez.

Ele diz ter tomado um calote em dois momentos diferentes: o primeiro dos empresários do volante (Allison Costa e André Costa), que acabou lhe valendo 15% dos direitos de Ralf quando chegou ao time paulista, e um segundo do próprio Corinthians, por meio de Roberto de Andrade, o que resultou em uma carta de crédito trocada pelos direitos da nova revelação.

Sem receber o dinheiro que lhe teria direito por causa de uma proposta da Fiorentina para Ralf, em 2012, o empresário, que já tinha 10% de Malcom, resolveu o problema que tinha pedindo mais 40% dos direitos do garoto, já em 2014 - ele repassou 5% no mesmo momento para parceiros e depois vendeu mais 10%, ficando com 35%. O clube paulista, que tinha até então 70%, aceitou e ficou com apenas 30%. O restante pertence a outras companhias, também parceiras do conselheiro, mas de donos diferentes.

O Corinthians é dono de apenas 30% dos direitos econômicos do Malcom | GETTY IMAGES


"Roberto de Andrade nunca honrou com a palavra. Mais do que isso, sempre escondeu que havia essa proposta. O Duílio [Monteiro Alves, direto adjunto à época] foi pelo menos homem e me mostrou a oferta. O Roberto, esse cidadão não tem honra para ser presidente do Corinthians. Um cidadão desse, vendedor de carro, se atreve a administrar um clube da grandeza do Corinthians, meu time de coração. Um cidadão que não sabe nem vender um carro importado, e quer colocar a bunda dele numa cadeira de um cargo de presidente do Corinthians. Inacreditável aos meus olhos e ao meu coração corintiano, para quem desde pequeno frequenta a arquibancada do Corinthians", disse Fernando em contato com a reportagem.

"Não sei nem se ele é corintiano, nunca vi ele frequentando o Parque São Jorge. Ninguém nunca viu ele. Se você mostrar a foto dele no Parque São Jorge, ninguém sabe quem é. Ele se esconde na barra da calça do Andrés Navarro Sanchez. Ele não é p... nenhuma no Corinthians. É outra invenção ou piada do futebol brasileiro. Por isso que o futebol brasileiro anda nessa draga. Apanhando de 7 a 1", completou.

Apesar de o estatuto do Corinthians prever que não podem fazer parte dos poderes sociais os sócios que tenham relação profissional com o clube, Fernando se defende dizendo que tudo que faz é por meio da pessoa jurídica e não da pessoa física. Ele diz ainda nunca ter participado e não ter nenhuma pretensão de participar das questões políticas do Parque São Jorge.

Procurado, Roberto de Andrade não respondeu às ligações da reportagem, e os empresários André e Alison não quiseram comentar o assunto.

Entenda o que aconteceu com Malcom e Ralf

2008: o empresário e conselheiro do Corinthians Fernando Garcia diz que foi ele quem levou Ralf para o Noroeste, clube que seu pai, Damião Garcia, presidia, com 60% dos direitos econômicos do atleta. No ano seguinte, o volante foi para o Barueri, quando a briga com os dois outros empresários do jogador começou. Segundo Fernando, havia um acordo entre os três para que ele ficasse com 20% dos direitos de Ralf nessa mudança de clubes. O combinado chegou a ser documentado, mas jamais cumprido, ainda conforme a versão de Garcia. André Vieira Costa e Allison Garcia Costa (empresários do atleta), segundo pessoas que acompanharam a negociação, não concordavam com os termos e ofereceram a Justiça como único caminho a resolver o problema. Veja Aqui

2010: O tempo passou, a oportunidade do Corinthians apareceu, e os dois toparam, ainda na versão de Fernando, devolver os 20% a ele com a ida ao grande time. Mais uma vez, o acordo nunca foi cumprido.

"Foi um acordo que eu fiz com os empresários e também com Andrés Sanchez [à época presidente do Corinthians]. Quando cheguei no clube para assinar a papelada, não havia isso documentado. Me disseram que os empresários tinham dito que tudo estava resolvido comigo, mas não estava. Fique para trás", disse Fernando Garcia, em contato com a reportagem.

Somente no dia 24 de maio daquele ano, já no Corinthians, Alison e André acertaram a situação com Fernando Garcia. Cada um cedeu uma parte e o último acabou ficando com 15% dos direitos de Ralf, como mostra o documento acima.

2012: foi quando uma proposta da Fiorentina chegou para tirar o volante do Corinthians, por 4,5 milhões de euros ou R$ 15 milhões, na época, em maio. Neste momento, os direitos do jogador se dividiam da seguinte forma: 16,25% do próprio atleta, 16,25% para GP Sports (Allison e André), 52,5% do Corinthians e 15% de Fernando Garcia. A diretoria alvinegra, interessada em ter o atleta para a Libertadores, cobriu a oferta, tendo de pagar para os respectivos o mesmo valor em questão. Acontece, no entanto, que Fernando Garcia ficou sabendo somente meses depois sobre o interesse do time italiano.

"Não me avisaram da proposta. Não existe fazer isso. Eu tinha o direito de vender a minha parte também. Se você tem 1% ou 99%, não importa. Isso chama isonomia. Mas ninguém me perguntou nada e eu fiquei sabendo no mercado. Queriam que eu morresse com os 15%. E fui cobrar", contou o empresário.

Ele passou o restante do ano em busca do que havia perdido. Entre o imbróglio, Fernando disse que era acionado para ajudar o clube em momentos difíceis, pelas pessoas com quem tinha bom relacionamento, como Andrés Sanchez, que já não era mais presidente.
"Nunca neguei ajuda ao clube. É o meu time do coração, todo mundo sabe disso. Com a minha empresa ou com o meu dinheiro, sempre ajudei", afirmou.

2013: no início do ano, Fernando foi pessoalmente na empresa de Roberto de Andrade para resolver a situação. "Ele prometeu me pagar", afirma. Mas isso não aconteceu. Ligou mais de 20 vezes para Roberto de Andrade, em fevereiro, para tentar mais uma vez. Não foi atendido. Em junho, a questão ainda não havia sido resolvida.

"Fui ao CT, encontrei o Duílio [Monteiro Alves, diretor adjunto], ele disse que ia falar com Mario Gobbi, mas nada de resolver. Estavam de sacanagem comigo. Os dois". Enquanto isso, o Corinthians comprava Alexandre Pato, por R$ 40 milhões, Renato Augusto, Ibson, Maldonado, Diego Macedo, Rodriguinho e tantos outros.

Foi no dia da despedida de Tite, no dia 19 de dezembro, que Fernando foi ao CT novamente decidido a não sair de lá sem resolver a sua dívida. Sentou com Duílio e com Roberto e avisou: "Se em dez dias vocês não assumirem a dívida que vocês têm, eu vou tomar as providências que eu achar necessárias". Dez dias depois, a venda dos 15% de Ralf foi, enfim, assinada, pelo valor de R$ 2,16 milhões. Não foi pago, no entanto, a dívida ficou no papel. Veja Aqui

Entre toda essa discussão, nesse mesmo ano, Fernando Garcia participou de pelo menos duas outras negociações com o Corinthians: ele ajudou a comprar Uendel da Ponte Preta, dando a possibilidade de o clube pagar em 8 parcelas, e também deu dinheiro e reuniu investidores para o clube fechar com Cleber, também do time de Campinas. Além disso, do seu bolso, sem contar o que envolvia a sua empresa, Fernando (na pessoa física) ainda emprestou milhões, diversas vezes ao alvinegro.

2014: ainda com o argumento que não teria dinheiro para pagar, o Corinthians propôs a Fernando Garcia dar direitos econômicos de jogadores do time para, enfim, encerrar os débitos. "Malcom tinha brilhado na Copinha, mas ainda não tinha ido ao profissional. Eu pedi 40% do jogador para acertar as dívidas", afirmou o empresário.

No dia 9 de abril, então, a dívida foi resolvida. O empresário, que já tinha 10% de Malcom, ficou com 45% já que repassou diretamente 5% para parceiros. O clube paulista aceitou e ficou com apenas 30%. Alguns meses depois, Fernando Garcia vendeu 10% para outra empresa e ficou com 35%. Veja Aqui

"Dois anos para resolver uma dívida. Roberto e Duílio não quiseram honrar os compromissos. Se esconderam durante todo esse tempo", finalizou.

Fonte: ESPN

Corinthians quer jogar mais tarde contra o Vitória em Cuiabá

O Corinthians quer adiar o jogo contra o Vitória, nesta quarta-feira, em Cuiabá, em 1h30. A partida está prevista para as 18h30 locais - 19h30 de Brasília -, mas o clube quer que ela seja iniciada às 20h locais, ou 21h na parte do país em que há horário de verão. O motivo é o forte calor na capital do Mato Grosso. Os paulistas mandam esse confronto na Arena Pantanal porque cumpre pena imposta pelo STJD por atos violentos de sua torcida. A CBF ainda não se manifestou, mas a tendência é que aceite o pedido do Corinthians, quinto colocado no Brasileiro, com 49 pontos - o Vitória luta para não cair, na 16ª posição, com 31 pontos.

Fonte: Globo Esporte

Estrela do Corinthians na Série B tem futuro incerto em time semi-amador

Os 19 gols marcados e a vice-artilharia do Campeonato Brasileiro de 2007 transformaram o uruguaio Beto Acosta em um dos nomes mais cobiçados para a temporada seguinte. O atacante jogava pela primeira vez no futebol brasileiro e ajudou o Náutico a fazer boa campanha naquele ano.

Rebaixado naquele ano, o Corinthians buscava um nome de impacto para recuperar a credibilidade e começar 2008 com um time forte e que seria montado por Mano Menezes. Acosta era o cara a ser trazido para mostrar que, apesar de jogar a Série B no ano seguinte, o time tinha prestígio na preferência dos atletas. Conseguiu contratar o uruguaio depois de vencer a concorrência contra Cruzeiro e os arquirrivais São Paulo e Santos.

Foi apresentado com pompa seis dias antes do Natal de 2007 como o "presente" festivo que afagaria a baixa autoestima da torcida depois do descenso. Mas Acosta foi mal e não conseguiu render o esperado. Virou reserva na temporada que era para ser estrela e nem ficou no plantel no ano seguinte. E não sabe explicar porque aquele jogador do Náutico nunca mais foi o mesmo.

"Eles apostaram muito em mim e tenho boas lembranças do Corinthians. O problema é que me machuquei muito, mas ficaram as boas lembranças. O Corinthians pagou tudo certo e não tenho nada para falar deles. As lesões atrapalharam, e o Corinthians foi muito significante para mim", falou em entrevista ao UOL Esporte.

"Eu sempre conversava (sobre não render como antes) com o meu pai, que jogava bola também. No Náutico eu jogava mais solto e era mais fácil, entendeu? Eu chegava mais no ataque, e no Corinthians tinha outra posição. Mas as lesões me atrapalharam bastante', continuou.
Acosta ainda não parou e quer em 2015 jogar mais uma temporada, quando terá 38 anos de idade. Para isso, tenta a renovação de contrato com o Santos da cidade de Macapá, capital do Amapá, onde jogou em 2014.

Participou com a equipe da região Norte da Série D do Campeonato Brasileiro, mas a equipe foi eliminada no começo de outubro, e, agora, Acosta já está de férias antecipada. Só resta renegociar seu contrato para poder disputar mais um ano no futebol profissional.

De agora até o final do ano, ficará apenas na expectativa e não tem muito o que fazer, de acordo com o que foi passado pela direção do clube. "O presidente pediu pra gente conversar em janeiro. Estou lá há dois anos, vamos ver", falou. "Eu estou bem, fisicamente correndo bem."

Fonte: UOL





 
Veículo de notícias sobre o Sport Club Corinthians Paulista | Todos os direitos reservados © 2012 - 2014. Timão do povo - Notícias do Corinthians